Páginas

15 de fev de 2010

palmas pro STJ

Não que eu seja fã do nosso judiciário... muito menos que eu o ache de fato independente dos outros poderes e menos ainda que eu ache que ele funciona bem. Porém, contudo, todavia... Semana passada o STJ tomou duas decisões que merecem aplausos.

1- Decretou a prisão do ladrão aqui do DF, Arruda, e mais alguns. Por mim todos os corruptos deste país teriam este mesmo fim, mas nada de cela na PF (que fiquem em prisões igual todo mundo ué... por que um Arruda da vida merece tratamento diferencial?).

Apesar desse afastamento involuntário do Arrudão, não vejo muitos motivos pra comemorar. Um cara pior que ele assumiu o governo (só acredita em Paulo Otávio incorrupto e bonzinho quem acredita em papai noel e coelhinho da páscoa). A corja-organização criminosa está, em sua maioria, livre, leve e solta. Rorizão deve ser eleito novamente pra continuar roubando. A câmara distrital deve continuar cheia de ladrões, corruptos e afiliados.

Isso só falando em nível de DF, porque se formos pensar em nível dos outros estados e em nível federal, a desgraça aumenta bastante e a opção que resta é rir da maioria que aprova um presidente que esteve envolvido em escândalo de mensalão e que faz campanha eleitoral antecipada junto com sua ministra querida (dois criminosos por já estarem fazendo campanha... e o STE imóvel sem fazer nada).

Fazer o quê? Depois não reclamem. Quem elegeu um cara que já esteve envolvido em violação do painel do senado junto com o fofíssimo ACM? Quem elegeu Collor, Sarney, Maluf e outras criaturinhas de ficha mais suja do que meu gato quando resolve rolar na terra? Eu não sou desmemoriada de votar em pessoas com manchinhas no currículo. Infelizmente, sou minoria.



2- Menos falada na imprensa (aliás, praticamente ignorada) uma outra decisão do STJ que considero importante e digna de palmas: o STJ concedeu a um gay o direito de receber pensão de um fundo de previdência privada após a morte de seu companheiro.

Uma sociedade preconceituosa que exclui determinadas categorias dos direitos básicos dos cidadãos não merece ser chamada de democrática e, pra mim, não é nem um pouco evoluída. O ideal é que as pessoas sejam tratadas da mesma forma e os casais homossexuais tenham os mesmos direitos que os casais heteros. Se eles ainda precisam recorrer à justiça para terem seus direitos reconhecidos, é sinal de que nossa sociedade ainda é bastante retrógrada.

Nesse quesito também faço parte da minoria. Pra mim pouco importa a sexualidade alheia, cada um que seja feliz da forma que achar melhor e pronto. Infelizmente, a maioria dos brasileiros ainda vive numa bolha machistinha patriarcal pseudo-religiosa autoritária, achando que os gays são seres inferiores, pecadores e querendo impor sua própria opção aos outros.

Que decisões como esta do STJ se multipliquem!!! E que um dia nossa sociedade seja democrata de verdade.