Páginas

20 de fev de 2010

Lula me faz rir

Em discurso no Congresso do PT na noite de ontem aqui na Capital, Lula e dirigentes petistas lembraram de momentos difíceis da legenda durante o escândalo do mensalão, em 2005. Segundo o presidente, "a elite" tentou, mas não conseguiu destruir o partido.

Ok, não há provas de que o mensalão realmente ocorreu, assim como também não há provas de que ele não ocorreu. Logo, se a tal "elite" é mentirosa por afirmar que sim na ausência de provas, o PT também é mentiroso por afirmar que não na ausência de provas.

Nem era de mensalão que eu queria falar, então vamos lá:

Sério, eu rio toda vez que vejo algum petista falando mal da "elite". Lula então...rs... Nosso presidente é o quê? Ele faz parte do povão trabalhador que tem que ralar muito, enfrenta hospitais públicos, utiliza transporte público, etc? Me poupe! Esse homem é um travesti de metalúrgico! No mínimo há mais de 20 anos ele já é mais "elite" do que eu. Traveco de homem do povo, isso sim.



Ainda no mesmo discurso, o presidente também lembrou a importância da política de alianças adotada pelo partido em 2002 para chegar ao poder, e disse que o PT tem que continuar a fazer alianças para se manter no comando de estados e do país.

Existem alianças e alianças... E isso que vejo atualmente está mais pra formação de quadrilha do que pra alianças legítimas em favor da governabilidade.

Quando das Diretas Já e morte do Tancredo eu era muito pequena, lembro de ver tudo na Globo mas não entendia nada daquilo. Em 89 eu já entendia o que era o mundo ao meu redor, assisti na tv o massacre da Paz Celestial sem acreditar que aquilo era verdade, vi um Pedro Bial ainda respeitável na transmissão da queda do muro de Berlim... e no Brasil acompanhei aquela disputa eleitoral bem sujinha e a eleição do Collor. Após aquelas eleições, acompanhei a história sendo feita até o dia de hoje.

Há 20 anos eu já entendia o mundo. Ao olhar o cenário político atual, às vezes penso que estou sob efeito de LSD ou outro alucinógeno bem potente. Lula defende Sarney, seu cão de guarda e ataque é Collor, e sua guarda pessoal tem Renan Calheiros, Romero Jucá e Gim Argello, os três mosqueteiros "do mal" (W. Bush).

Sarney resiste na Presidência do Senado Federal e do Congresso Nacional, "com a força inquebrantável daqueles que têm fé" (MMMG), enquanto é massacrado pelos meios de comunicação, com a divulgação de escândalos sucessivos, há meses. Collor, "babá do PAC", dá medo só de olhar. Quando fala difícil, ambiciona-se membro da ABL; que nem Sarney, seu antecessor na Presidência da República.


Um último comentário: ADOOOROOO hipocrisia!!! (óbvio que estou sendo irônica né =P)


*algumas partes deste post vieram DAQUI