Páginas

31 de out de 2011

Lula, o câncer e os imbecis

Bastou nosso ex-presidente ter seu câncer descoberto e anunciado para um monte de imbecis invadir as redes sociais com piadinhas de péssimo gosto. Quem eram mesmo os cidadãos que ontem achavam um absurdo as piadas do Rafinha Bastos? Pois é... Hipocrisia manda beijo pra vocês!

Não simpatizo com Lula enquanto pessoa, muito menos enquanto governante – e isso, mesmo sem me conhecer, é fácil perceber lendo este blog. Porém, tenho profundo desprezo – e pena – por todos os imbecis que estão fazendo pouco caso da doença do nosso ex-presidente.

Meu falecido pai teve câncer, minha falecida ex-sogra teve câncer... atualmente, uma grande amiga minha, no auge de seus 27 anos, está com câncer, e o pai de um grande amigo meu está na fase terminal do câncer. Provavelmente, os piadistas nunca tiveram alguém próximo acometido por esta doença... Meu lado politicamente correto espera que jamais tenham. Já meu lado incorreto deseja que vocês próprios sejam acometidos pela doença para que saibam como é delicioso fazer quimio e radioterapia!

Parece que está faltando no vocabulário do ser humano a palavra EMPATIA. "Sugere-se que o sistema límbico, uma das partes mais antigas do nosso cérebro, e suas conexões com o córtex pré-frontal estariam envolvidas na empatia; proporcionariam aos homens a capacidade de se colocar no lugar dos outros. Dessa forma, uma empatia primitiva estaria presente desde cedo na evolução humana, e com a aquisição de novas estruturas cerebrais e circuitos neurais adicionou-se a essa empatia uma forma de cognição, de tal forma que pôde ser experienciada em conjunto com uma consciência social mais desenvolvida". Bem... minha conclusão é que a humanidade está INvoluindo e tornaram-se crônicos os problemas de conexão entre o sistema límbico e o córtex pré-frontal...

Ou, como bem dito por uma conhecida:

“Alexandre, o Grande, ao saber que seu maior inimigo, Dario III, havia morrido provavelmente pelas mãos de um soldado raso, chorou. Ofereceu-lhe postumamente um discurso no qual, reconhecendo e exaltando as qualidades do opositor, lamentou o fato de ele não ter tido uma morte condigna ao grande guerreiro e homem que foi. Mito ou fato histórico, tenho saudades dos tempos que eu não vivi, nos quais mesmo inimigos e opositores sabiam se respeitar, sabiam reconhecer a grandeza um do outro e se tratavam com a dignidade possível às circunstâncias.”

Ninguém precisa ser petista ou fã do Lula para tratá-lo com o mínimo de respeito e dignidade…