Páginas

28 de fev de 2012

novo piso professores

Então o novo piso nacional dos professores é de R$ 1.451 para trabalhar 40 horas semanais? É isso mesmo? Desculpem os que comemoram isso, mas eu acho esse valor ridículo, uma piada até. Puta que o pariu né! Educação é um dos pilares mais importantes aos quais uma sociedade deveria dar valor e investir e, dentro disso, os professores são peça chave... E em nosso país sério, um atendente do Outback ganha mais por mês do que um professor? Alguém, por favor, me dá um alucinógeno para eu pirar muito e entender uma coisa: Como assim tem gente que acha esse salário digno?!? Como assim??!!!

A pior parte é se deparar com matérias como essa, cujo texto foca no gasto público e nas dificuldades que os municípios enfrentarão para pagar essa fortuna para os professores. O interessante e, ao mesmo tempo, lamentável, é que em nenhum momento o texto comenta a importância desse novo piso para a educação brasileira. É lamentável ver a manipulação jornalistíca e o desdém com a inteligência do brasileiro (se bem que essa segunda parte, sobre a inteligência do brasileiro, me gera dúvidas... ô povinho conformista que não reclama de nada e aceita tudo esse nosso viu...).

O impacto desse novo piso salarial será de R$ 1,6 bilhão? Que fossem R$ 16 bilhões! E claro, que houvesse mais controle e fiscalização sobre a qualidade dos professores e escolas, que houvesse uma reciclagem dos professores, que houvesse uma preocupação maior com a qualidade da formação desses professores...

Vergonha é o impacto que salários de parlamentares – e demais regalias que recebem - geram nas contas públicas, isso sim.

23 de fev de 2012

violência - física, apenas?

Autoestima é um assunto delicado, sobre o qual, às vezes, tenho certeza de minha posição e, outras vezes, não sei o que penso disso. Em minha modestíssima opinião, autoestima é algo que se tem ou não... Porém, por experiência própria, sei que isso também é relativo. Infelizmente, já me relacionei com alguém problemático e sei que há quem tente tirar dos outros a autoestima, mesmo sabendo que não poderá trazê-la para si, fazendo-o (conscientemente ou não) apenas para que não se sinta o único pobre desgraçado no fundo do poço.

Sabemos que, diariamente, seres humanos do sexo feminino passam por todos os tipos de violências possíveis e imagináveis e, porque não, inimagináveis também. Estas vão desde serem mortas porque não aceitaram o assédio (notícia bacana – NOT – da quarta-feira de cinzas), passam por serem estupradas, espancadas, humilhadas, terem um braço quebrado por rejeitarem alguém, etc... Não dá nem para listar todos os tipos de coisas às quais as mulheres estão expostas apenas, e somente, por serem mulheres.

Então volto ao início. Existem tipos de violência que não deixam marcas aparentes, que são silenciosas. Se uma mulher reage, violentamente, a um estupro ou a um espancamento, alguém seria capaz de dizer que ela é louca, impulsiva, explosiva, agressiva? E quando a agressão que ela sofre é silenciosa, segue o modelo de assédio moral, mina sua autoestima, traz danos morais? Se essa mulher, sem marcas aparentes, reage violentamente, quantos dirão, sem pestanejar, que ela é louca, impulsiva, explosiva, agressiva? No primeiro caso, com as marcas físicas, muitos ainda a classificariam como descontrolada, louca... No segundo caso, onde inexistem marcas aparentes, provavelmente todos a classificariam dessa forma.

O que dói e machuca mais? Violência física ou psicológica? O que deixa marcas mais profundas: agressões físicas ou psicológicas? O que é mais desrespeitoso: dar um soco em uma mulher ou passar tempos rebaixando-a, tratando-a mal, minando sua autoestima? Não sou psicóloga e, sinceramente, não sei. Apenas digo que, em qualquer dos casos, se acontecesse comigo, haveria reação... e provavelmente me chamariam de louca, impulsiva, agressiva e explosiva... como costumam chamar qualquer mulher que reage ao fato de estar sendo agredida. Lamento.

Quem sabe um dia, num mundo onde homens e mulheres sejam tratados da mesma forma, entenda-se que reagir a agressões, partam elas de quem partirem, configura apenas e somente legítima defesa. Por enquanto, continuamos vivendo em um mundo onde homens, quando reagem, estão provando que são machos e, mulheres, quando reagem, se não levarem um tiro ou não tiverem um braço quebrado, são apenas loucas desequilibradas. Desculpem, não concordo com isso.

16 de fev de 2012

prevenção de estupros

Finalmente uma campanha de prevenção de estupros voltada para homens...





Pra quem não entende inglês...

No alto das 4 fotos está escrito: Minha força não é para machucar

As duas fotos de cima:

Então quando ela mudou de idéia, eu parei.
Então quando ela estava bêbada, voltei atrás.


As duas fotos de baixo:

Então quando eu quis e ele não, nós não fizemos.
Então quando eu paguei pelo nosso encontro, ela não me possuía.


Na parte de baixo das 4 fotos está escrito: Homens podem acabar com o estupro

15 de fev de 2012

being afraid

"I don't remember the exact moment when I went from liking you, to loving you. I don't even think it was while we were still dating. I think it was after, after we'd been apart.

But I do remember when I went from loving you, to that ridiculous, head over heels, heart physically aches, what so many artists sing about, writers scribble about, kind of love... And quite frankly, it shocked me. There... was this energy, running through my whole body, that just made me want you, all of you. I couldn't deny it, or hide from it. I let it wash over me. I missed you, and you were about five feet from me.

But with it, came the greatest fear I've ever known.

I'm afraid you won't. I'm afraid you’re too concerned with not doing the wrong things, that you will end up missing the chance to do the right things. I'm afraid you are waiting for a sign that isn't going to come. I'm afraid you won't ever take a chance on me.

For me, this is easy. I'm not afraid to lead with my heart. I'm not afraid to show my emotions, to be honest, to be vulnerable. True love deserves that.

This is a risk. I want to take it with you. I just wish you'd want to take it with me...”



______________________________________

*P.S.: Não faço a mínima idéia de quem seja o autor desse texto que achei na internet... E minha vontade de traduzi-lo é igual a ZERO. Apenas o achei perfeito... colocando-o em algum local no tempo pretérito da minha vida.

O tempo presente está bem distante disso e, ao mesmo tempo, bem próximo... Paradoxos da vida e do cinismo que chega, cedo ou tarde, diante dela...

14 de fev de 2012

assim caminha a humanidade

De repente, um dia acordo e está todo mundo prestando homenagens à Whitney Houston. Uma cantora que ninguém nem lembrava que existia morre e isso vira motivo para comoção? Então minha preguiça de internet e redes sociais aumenta em progressão geométrica (ou seria aritmética?)...

Fatos graves, que são o retrato de uma sociedade machista e patriarcal, aconteceram no último final de semana: o estupro coletivo de 5 mulheres na Paraíba (e a morte de duas delas) e a agressão a um casal de homossexuais no Rio. Além disso, está ocorrendo nesse momento o julgamento do Lindemberg, assassino da jovem Eloá (outro crime diretamente relacionado ao machismo e ao patriarcalismo). E o que gera comoção e incontáveis homenagens e comentários nas redes sociais é a morte da Whitney Houston?

Tenho duas hipóteses: ou as pessoas vivem na Disneylândia enquanto eu vivo no mundo real, ou a alienada sou eu e a realidade é um conto de fadas colorido. Exceto o julgamento do Lindemberg, a mídia em geral não deu grande destaque aos fatos ocorridos no último final de semana... Ok, é normal gays serem motivo de piada e sofrerem agressão e mulheres serem estupradas e mortas? É normal os usuários de redes sociais prestarem homenagem a uma cantora drogada bêbada qualquer e ignorarem o que acontece com gente comum?

Me poupem! Pior do que a mídia não dar destaque a nada disso é o fato de as pessoas ignorarem os acontecimentos. Claro, tá todo mundo pensando em carnaval e putaria... Os 5 dias nos quais tudo é permitido estão chegando! Semana que vem volta tudo à mesma hipocrisia de sempre, a nudez volta a ser proibida, as mulheres voltam a ser putas que pedem para ser estupradas e os gays voltam a ser promíscuos...

Assim caminha a humanidade. Infelizmente.

13 de fev de 2012

texto ao bispo

Presidente da Comissão pela Vida da Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), ele disse ao jornal Estado de S. Paulo que a recém-empossada ministra da Secretaria de Política para as Mulheres, Eleonora Menicucci, “é uma pessoa infeliz, mal-amada e irresponsável”.

Isso! Não critique o discurso ou o argumento do seu adversário. Desqualifique-o!

(...)

Para cicatrizar uma ferida, primeira é preciso abri-la, retirar toda a sujeira que se acumulou ao longo do tempo e lavá-la bem. Daí usar os medicamentos apropriados para que não ocorra nenhuma infecção, ou seja, que o problema se espalhe. Aí sim, é hora de fechá-la. O que o bispo pede é diferente. Ele quer que ninguém mexa na ferida, que há séculos produz um pus fétido na sociedade, que é a forma como tratamos as mulheres e o direito ao seu próprio corpo. E como o Estado se omite em debater temas importantes, deixando para outras instituições essa responsabilidade.

Mas, afinal de contas, o bispo tem razão. Que história é essa de pensar que o Brasil é laico e democrático? O Brasil pertence aos pastores de Deus, aos homens de bem e aos héteros. Ah, e aos empresários de sucesso, é claro.

(...)

Com tanta atitude arbitrária e antidemocrática do governo federal para ser criticada, a igreja vai cutucar logo a defesa dos direitos humamos, que serve para trazer um alento de civilização em nosso país de mentalidade tão tacanha.

(...)

José também tratou das declarações de Eleonora sobre a orientação sexual de sua filha, afirmando que ela “deveria tomar mais cuidado para não dar mau exemplo para nossos adolescentes”.

Eleonora, ao deixar claro que tem orgulho de uma filha lésbica, faz um serviço à sociedade, ao mostrar que isso não deveria assustar ninguém. O bispo que deveria tomar cuidado para não dar mau exemplo aos nossos adolescentes com declarações que podem promover a homofobia e a intolerância.

(...)

Mas é engraçado ver alguém numa posição como a dele que tem medo do debate público. Principalmente, quando este vai revelar o anacronismo de seu próprio discurso. Quiçá sua insignificância.



__________________________________________

***o texto pode ser lido na íntegra AQUI

7 de fev de 2012

pró-vida

Não faço a mínima idéia de quem é o responsável por essa imagem, mas ela conseguiu traduzir bem meu pensamento sobre o assunto.



Para quem não entende inglês, uma traduçãozinha do que está escrito na imagem:

Você ainda será “pró-vida” DEPOIS QUE ELA NASCER?

Você aplicará o mesmo rigor na sua luta:
- contra a guerra
- contra a fome
- contra a pobreza
- contra a falta de ter onde morar
- contra a degradação do nosso planeta
- contra a pena de morte
- a favor dos direitos humanos
- a favor de oportunidades de educação e emprego
Que você aplica na sua luta para tornar o aborto ilegal?

Se não, por favor pare de se intitular “pró-vida”.