Páginas

19 de abr de 2012

nudez democratizada?

Os criadores do site dizem que o Nakeit nasceu para democratizar a nudez e que querem pessoas reais... mas inauguram o negócio escolhendo a Pietra Príncipe e justificando a escolha dizendo que ela é “loira e gostosona, mas é nerd e gamer"? Querem pessoas reais que fujam dos estereótipos e a primeira é justamente um estereótipo, além de já ser razoavelmente conhecida?

Segundo os criadores do site, eles querem abrir espaço para todo tipo de pessoas posarem (homens inclusive) e todos estarão aptos a isso desde que haja quem pague pelo ensaio. Acho positiva a quebra de estereótipos de beleza, assim como a inclusão de homens – caso o site de fato faça isso, coisa que duvido. Fica a pergunta: será que o público em geral, acostumado às panicats e BBBs da vida, vai pagar para ver gente normal?

Eu, pessoalmente, não acho nada demais em a pessoa, voluntariamente, se dispor a posar nua. Honestamente, até eu que sou mega chata com esse tipo de exposição posaria se me pagassem, dependendo da situação. Por que não? Nudez, dependendo de como for utilizada, pode inclusive servir como fator de empoderamento. Não tenho preconceito com a mercantilização do sexo e da nudez e não acho que, necessariamente, impliquem em objetificação.

Deixando de lado qualquer papo filosófico... as revistas e os sites com os estereótipos que me desculpem, mas prefiro mil vezes um Suicide Girls.

Aqui um site bacana contra o tabu da nudez e a beleza fabricada: The Nu Project.

Pra quem gosta de nudez (e porque não, sexo?) mais, digamos, voltada para o público lésbico e no estilo girl next door, tem o Abbywinters. Há também o Ifeelmyself (o nome diz tudo), cuja proposta é bem interessante.