Páginas

4 de jan de 2013

dica de filme


Após assisti-lo, fiquei pensando no quanto a situação dos negros era absurda... E, ao lembrar-me de que ainda hoje há gente que não gosta que sua empregada negra use o elevador social, fiquei pensando no quanto avançamos pouco.





O filme é de 2011, mas só o assisti agora, nos primeiros dias de 2013. Admito: me senti uma completa idiota por não tê-lo visto antes. Um assunto pesado e complexo - o drama das empregadas negras nos Estados Unidos durante a luta pelos direitos civis - é mostrado de uma forma intimista, leve. Dá-se prioridade às questões pessoais em detrimento de eventos históricos e políticos e, talvez por isso, o filme consiga sensibilizar mais do que se a opção tivesse sido por uma abordagem que o tornasse épico.

A realidade sulista dos EUA é apresentada de forma íntima. A necessidade de um banheiro separado para as empregadas negras. O carinho que elas sentiam pelas crianças brancas que criavam. Um filme que mostra a realidade racista da época com interpretações magistrais. Faz chorar sem deprimir. Relembra um passado sombrio, porém sem reflexões profundas. Um belo retrato, ainda que suavizado, da crueldade humana.

O tema da segregação racial, neste filme, é contextualizado superficialmente, tratado sem questões políticas, apesar de a região na qual se passa a história ter sido o berço da Ku Klux Klan. Não acho, entretanto, que isso o enfraqueça. Ao contrário, diante do grande público o torna mais forte, o aproxima mais das pessoas. E está aí o seu segredo.

"Le personnel est politique"