Páginas

5 de mar de 2013

meu país do futuro


Não sou mais a mesma pessoa que eu era há 6 meses. Mais de vinte cidades depois… portos, aeroportos, estradas… Litoral, sertão, chapadas, amazônia… Metrópoles, cidades, vilas… Aprendi mais sobre o Brasil nos últimos seis meses do que em qualquer aula de geografia. A realidade, vista de perto, é bem diferente do que aprendemos nos livros ou vemos na TV e nos jornais.

A realidade tem cores próprias e, dependendo do ponto de vista, é dura, cruel, feia. Minha opinião sobre o meu país não deixou de ser crítica e, ãs vezes, cínica e sarcástica nestes útimos meses… Acho até que ficou mais crítica e ganhou pitadas a mais de cinismo e de sarcasmo. Tenho pena de quem exalta o país do futuro: míopes encastelados em suas torres de marfim, incapazes de enxergar e de reconhecer o país do atraso.

O Brasil que espera receber grandes eventos esportivos é uma piada. Quem acha difícil se deslocar por via aérea deveria tentar locais sem aeroporto. Difícil deslocar-se pelas estradas que, muitas vezes, estão em condições precárias? Tente locais nos quais só é possível chegar por via fluvial. Dependendo de para onde se vai, o parto para embarcar e conseguir chegar vai se complicando até virar de alto risco.

A piada acontece em todos os níveis. Nossa infra-estrutura é deficiente e, algumas vezes, risível em diversos aspectos. Rede hoteleira, transportes, atendimento médico-hospitalar, abastecimento, segurança. A piada aumenta quando adicionamos na equação uma população majoritariamente machista, conservadora, homofóbica e ignorante (ignorante no sentido de desconhecer).

Antes de me xingar, sugiro dar uma voltinha pelo interiorzão do país, pelo norte… Saia do seu confortável ativismo de sofá e visite o sertão nordestino, desloque-se de barco pela amazônia, vá em pequenas cidadezinhas do centro-oeste… Conheça melhor a realidade do seu país. A impressão Brasil afora, ao sair das capitais, é de entrar em uma máquina do tempo e ser transportado para algumas décadas atrás e, em alguns casos, séculos.

Pensando bem, para os turistas estrangeiros isso é exótico né… Então estamos no caminho certo.