Páginas

27 de jun de 2013

fique só

Não gosto de escrever sobre sexo. Qualquer coisa relacionada a sexo é feio, é pecado. Mulher bem resolvida nesse quesito então... queime na fogueira! A Santa Inquisição está em todos os lugares, tal como estavam os delatores durante o stalinismo. Porém, senti necessidade de falar sobre algumas coisas que não são propriamente sexuais quando uma conhecida veio desabafar o grande problema que estava tendo com o namorado.

Aí a moça veio, enfurecida, reclamar comigo que o namorado gosta de ver filme pornô à noite para relaxar... Veja bem: reclamar, COMIGO!?!?? Dois erros gravíssimos na mesma sentença! Não gosto de reclamações sobre estes hábitos. Gosto de filmes pornô à noite para relaxar. Dessa forma, reclamar comigo não é o mais indicado.

Sinceramente? Se ele só quer dar uma gozada e fim, é melhor mesmo assistir um pornô e se masturbar. Melhor do que agir como se a parceira fosse uma boneca inflável. Dica: deixar a hipocrisia de lado. Sejamos realistas: todos têm aquele momento, aquele dia, que queremos apenas dar uma gozada. Surgem duas questões.

Por que tratar alguém apenas como uma boneca inflável? Um vibrador? Acho desrespeitoso tratar até as prostitutas como se fossem apenas receptáculos de esperma, com a justificativa de que estão pagando pelo serviço... É desonesto. Por que incluir outra pessoa em um ato solitário? Incluir outra pessoa quando você não quer interagir com ninguém? Admito: já tratei gente apenas como vibrador... e, por isso mesmo, aprendi que até para mim mesma é melhor quando não estou egoísta.

Se for para fazer sexo, casual ou não, sem se preocupar com o(s) outro(s) envolvido(s), é melhor não fazer. Em dias nos quais se está tomado pelo egoísmo e a vontade de estar só, pratique atividades recreativas adultas solitárias. Ninguém ficará decepcionado, ninguém se arrependerá. Bem mais seguro e saudável.

A outra questão é... Por que inventar DRs por causa de filmes e revistas pornôs? Conversas? Uma sociedade na qual os sentimentos de posse (no caso dos homens) e insegurança (no caso das mulheres) são predominantes e estimulados desde cedo... não pode ser uma sociedade saudável. Some-se aos anteriores o medo (no caso de homens e mulheres, embora por diferentes motivos). É esta a sociedade que você acha civilizada?

Eu, pessoalmente, acho meio patológica essa vigilância da vida sexual alheia. Dentro de um relacionamento então... É simples: o acordo de vocês é a monogamia? Basta não trair. Isso é ser fiel ao acordo. Colocar filmes, revistas, conversas em chats, conversas com outras pessoas... Enfim, colocar todas essas coisas no mesmo patamar de uma traição é neurose, não? Querer ser dono do outro e influir na sua vida sexual a este ponto? Não, definitivamente não.


A conclusão é a mesma: compre uma boneca inflável ou um vibrador. No primeiro caso, você não está bem preparado para usufruir o melhor que o ato sexual tem a oferecer. No segundo, quem quer tomar conta do orgasmo alheio é porque não está tendo os seus próprios. Em todos os casos: masturbe-se mais.