Páginas

16 de mai de 2014

filmes teen anos 80

Uma noite na cia da amiga insônia, zapeando entre os canais de TV a cabo, estava começando Sixteen Candles (Gatinhas e Gatões, no título em português), de 1984, no Telecine Cult. Há anos não assistia esse filme, sequer lembrava de toda a história. Assisti e faço algumas observações e comparações com filmes atuais sobre a mesma temática.


 


Trinta anos depois, o que aconteceu com Molly Ringwald, a musa teen dos anos 80? Virou mãe de protagonista na série adolescente The Secret Life of the American Teenager.

Molly jamais seria musa de nada atualmente. Lembrando e pesquisando rapidamente os filmes dos anos 80, percebi que protagonistas daquela época eram mais reais, mais parecidas com gente normal que encontramos no dia a dia. As musas teen emagreceram e ficaram mais plastificadas, perfeitas, irreais, inalcançáveis e seguem um padrão mais photoshopado


 


Há 30 anos, os personagens principais de todos os filmes adolescentes eram menos perfeitos, homens eram menos anabolizados, cabelos femininos de propaganda de xampu e peitorais masculinos esculpidos não eram a regra. Havia, como sempre houve na indústria cultural, um padrão de beleza... menos irreal, porém.

O que aconteceu com os pais dos filmes? O culto à juventude e à magreza parece ter se estendido a eles. Hoje em dia pais aparentam serem mais jovens, mais magros, usam mais botox e se parecem menos com pais da vida real.

Os temas dos filmes teen permanecem basicamente os mesmos – acho até que atualmente os filmes são, inclusive, mais conservadores e moralistas (apesar de mostrarem mais corpos perfeitos em exposição). A grande mudança, se existe alguma, é uma completa photoshopização dos protagonistas desses filmes. Que mensagem isso passa para os adolescentes?