Páginas

14 de mai de 2014

o pau grande e o homem pequeno

De repente, um blog desconhecido (este que vos fala), que dificilmente recebe comentários, passou a recebê-los nos últimos dias, todos no mesmo texto e, devido ao chorume, não aprovados (já falei que isto aqui não é uma democracia?...rs...). Aparentemente, sou uma louca mal comida que não gosta de homens. Faltou me chamarem de gorda, boba, chata e feia. É só falar da performance sexual masculina, como nesse texto, que os ofendidinhos aparecem do Além?

Me chamou de mal comida? Bom, por este tipo de machinho que vive no sistema paular, sou mal comida mesmo – eu e todas as mulheres, aliás. Toda mulher que conheço tem um desses no histórico. E as queixas de todas são basicamente as mesmas. Além disso, todas trocariam um gatíssimo de abdominal bem definido por um menos bonito que fizesse direito e tivesse emocional bem resolvido. Não é lenda urbana.

Então sorry, mas pau se compra mesmo em qualquer sex shop e beleza pode até abrir o apetite, mas não serve a mesa. Coincidentemente, a maioria desse tipinho se acha a última coca-cola do deserto gelada com gás. Se garantem com o superficial e esquecem do essencial (no sexo e fora dele). E sabe esse negócio de postar fotos do abdômen em redes sociais? Apenas parem!

A minha opinião é que se houve quem ficasse ofendidinho por um texto que não fala de todos os homens, mas apenas de um tipo deles é: ou o cidadão precisa urgentemente voltar para as aulas de interpretação, ou é do tal tipo e não gostou de seu retrato.

“E se fosse um texto falando de mulheres que parecem bonecas infláveis?” – me perguntou um conhecido. Sabe por que não me sentiria pessoalmente ofendida? Porque não sou uma delas. E já pensaram (óbvio que não!) que, de repente, o que vocês classificam como mulher boneca inflável pode ser só uma mulher profundamente inserida nessa cultura machista que diz a ela para ser a tal bonequinha sem vontade à disposição do macho? E, se detestam tanto bonecas infláveis, por que tratam mulheres como se fossem uma?

Mimimi... mas não tem como adivinhar... mimimi... mas mulher finge... STOP the mimimi. Ok, fingir é uma burrice e um caminho para a insatisfação pessoal – desaconselhável. Mas façam-me o favor! A insensibilidade é tanta que não conseguem prestar atenção em contrações musculares involuntárias, respiração ofegante que pára por alguns instantes, mamilos enrijecidos, etc? Só prestam atenção no próprio pau mesmo?



Momentos de sabedoria de Samantha Jones:
“It is so refreshing to be with someone who likes to fuck outside the Box”
("É tão refrescante estar com alguém que gosta de transar fora da caixa")
"Fuck me badly once, shame on you. Fuck me badly twice, shame on me”
("Foda-me mal uma vez, vergonha sua. Foda-me mal por duas vezes, vergonha minha")
“You’re nothing but a big dick with a little man attached”
(“Você não passa de um pau grande com um homem pequeno anexado”)



 


NOTA: 
Não existe mais a opção de comentários (nem mesmo moderados) por aqui. Leu e gostou? Compartilhe com os amigos. Leu e não gostou? Compartilhe com os inimigos - mas vá derramar chorume em outro lugar ou converse com seu terapeuta.