Páginas

20 de jul de 2014

dia do amigo

Dizem que hoje é Dia do Amigo. E existe um dia específico para celebrar e relembrar amigos? Desnecessária essa data. Amigo é aquela pessoa de todos os dias e de dia nenhum. Explico. Ou não. Tempo e distância são coisas inexistentes nesse negócio chamado amizade que, ao contrário do que dizia o poeta, é um amor que morre sim.

Pessoas se afastam por inumeráveis motivos – quase todos ligados a mudanças. Muda-se de cidade, emprego, país, continente, estado civil, opinião, humor. Todas essas mudanças não são, per se, motivos para a morte. O que provoca a morte é a adição de ingredientes como falsidade, traição, insensibilidade, egoísmo... Quem nunca teve um amigo que morreu por algum desses temperos?

Aceita a morte que dói menos. Fique em luto se necessário. Não se pode mudar os outros, apenas nossas reações a eles. De repente, esse amor que nunca morre apenas definhou até morrer e ninguém percebeu – ou fingiram não perceber. Pouco importa. Perder tempo com isso é deixar de usar esse tempo com quem está vivo.

Já que dizem que hoje é dia do amigo, balance a árvore da amizade para que caiam as maças podres. E só. Não vale a pena perder tempo com elas. Melhor ganhar tempo com aquelas pessoas com quais se pode ser. Os vivos. Aqueles com quais se pode ser quem se é, com todos os defeitos e qualidades que isso implica. E isso não significa que os vivos sempre devem concordar com tudo ou passar a mão na cabeça – o nome disso não é amigo... amigo é outra coisa.

Amigo é aquela pessoa cujas imperfeições combinam com as nossas. Sintonia pura e simples, que tempo e distância não são capazes de apagar. Que queremos bem (e que nos querem bem) apesar de.